sexta-feira, 9 de março de 2007

PROSAICAS CENAS DE RUA EM LUANDA





Está certo que a língua portuguesa aqui seja bastante igual à falada pelos gajos lá em Portugal. Afinal, a colonização aqui na África foi muito mais intensa (no tempo) e cruel (no modo) do que no Brasil. Sabíamos disso, claro. E confirmamos quando um dia, após fazer compras num supermercado, aguardávamos do lado de fora o motorista que tinha ido abastecer o carro.
Era uma sexta-feira, quando as filas são muito maiores do que nos outros dias - já em si grandes e irritantes - nos poucos postos de abastecimento de Luanda (apesar de o país ser o segundo maior produtor de petróleo da África ! ). Quando liguei para saber o por quê de tanta demora, ouvi : "Ô Jorgito (como me chamam aqui) demorei porque estou há mais de meia hora no rabo da bicha ".
Bom, mesmo achando que "tudo bem, cada um deve ficar na sua ..." achei exagero da parte dele essa "meia hora". E me preparei para esperar (mais ainda) ele terminar de ... abastecer. ! Porém, o que ele quis dizer mesmo foi: "estou há meia hora no fim de uma fila". Ele não sabia o sentido de suas palavras no português/brasileiro e tampouco entendeu quando lhe perguntei se "estava sendo bom para ele " e se estava gostando...
Mas, para além das expressões idiomáticas muito próprias de cada terra, naturalmente, existem as denominações singulares. A foto acima não está boa, foi tirada de dentro de um carro em movimento, através da janela fechada (muita gente aqui, fica invocada em ser fotografada, uma neura da época recente de guerra que Angola viveu...) mas revela uma curiosidade. O nome da barbearia é mesmo:

ENTRA FEIO SÁI BONITO

O sujeito que escolheu este nome para seu estabelecimento deu um belo exemplo de marketing. Lá dentro do espaço exíguo, além das duas cadeiras de barbeiro, ele improvisou uma lojinha onde são vendidos óculos esportivos, blusas, chaveiros, xampus e otras cositas más. Tudo, naturalmente, voltado para elevar a auto-estima das pessoas e ... também o faturamento da barbearia.

Ainda no ramo beleza/estética outro nome chamou-me a atenção, a mostrar a criatividade dos angolanos em batizar seus estabelecimentos. Um salão de beleza que fica no fim da rua onde trabalho ostenta este letreiro:





Fiquei um tempinho intrigado sobre qual seria a origem de invocação tão charmosa quanto desveladora. Em que circunstâncias a biba teria cunhado tão doce expressão, quase um gemido nada contido ? Deixo a vocês a incumbência de matutar. Imaginação à solta ... vamos lá !
Proximamente mostrarei outros cartazes/letreiros também interessantes: uma empresa cujo nome é ESCRAVOS DO LAZER; um bar/restaurante chamado CAIS DE QUATRO; uma confeitaria de nome A BARATINHA, um armazém de frios denominado CASA DOS FRESCOS e por aí vai...

09 mar 2007

6 comentários:

david santos disse...

Olá, Jorginho!
Tens aqui um grande trabalho, mas tem que ser divulgado. Naquilo que eu puder vou ajudar.
Abraços.

Marcia Rodrigues disse...

Jorginho, adorei o mkt dos angolanos. Posso colocar no Sarapatel? Vou mandar tb pra simão, para o morte ao tucanês..Posso??
bjs

Diego disse...

interessante a criatividade do povo angolano. Agora entendo os motivos que levaram um dos mais famosos publicitários brasileiros a denominar a sua agência propaganda de África. Pai, cuidado com os locais onde vc frequenta esse negócio de cais de quatro não pega bem, não. K K K K K K

saudades

Anônimo disse...

Querido Jorginho,
que delícia participar de suas aventuras em Angola através desse Blog. Além de amenizar as saudades que sentimos de você, enriquecemos nossos conhecimentos sobre o continente Africano em belas e agradáveis crônicas.
Um grande beijo do amigo
Tony

Aurora Lilian disse...

Jorginho

Luanda é Salvador.
Beijos
Aurora

Aurora Lilian disse...

Jorginho

Luanda é Salvador.
Que bom encontrá-lo.
Abraços
Aurora